top of page
Search
  • Writer's pictureNature in Two Languages

Brumadinho


Quando a última árvore for derrubada O último peixe for pescado, E o último rio estiver poluído, Então saberemos que não se pode comer dinheiro

(Provérbio indígena)

When the last tree is cut down The last fish eaten And the last stream poisoned We will realize that we cannot eat money (Indigenous proverb)

Brumadinho assim foi batizada pelos bandeirantes em razão da densa bruma que acobertava a região. “Brumadinho” got its name due to the thick mist that covered the region.

Fotos/Photos: Eloísa Tavares

Minas Gerais

A palavra “bruma” traz a poesia em si mesma: não é vapor, não é névoa, não é neblina. É bruma, é forte, é rica, é densa. The word “mist” brings poetry in its soul: not vapor, not haze, not fog. It’s mist, mysteriously rich and dense.

A região afetada pelo crime ambiental era um biossistema único: grandes mananciais de água, entre eles o Rio Doce, e a área de Inhotim. The region affected by the environmental crime was unique: large bodies of water, among which the Rio Doce (Sweet River) and a touristic area called Inhotim.

Fotos/Photos: Luciano Propheta

Águas Formosas, MG

E por ser assim tão rica, sua destruição é ainda mais desoladora. And because it’s so rich, its destruction is even more devastating.

Fotos/Photos: Eloísa Tavares

Que as imagens de Minas, tão linda, nos inspirem a sermos mais atentos e mais responsáveis na preservação da natureza da qual somos parte. May the images of Minas, so beautiful, inspire us to be more attentive and more aware in preserving nature, of which we are a part.

Terminamos com a poesia de Drummond, que já em 1984 nos alertava para os perigos da exploração de minérios sem controle: The Minas-born poet, Carlos Drummond de Andrade, already predicted the dangers of mining without control:

Fotos/Photos: Luciano Propheta

Valadares, MG

I O Rio? É Doce. A Vale? Amarga. Ai, antes fosse Mais leve a carga.

II Entre estatais E multinacionais, Quantos ais!

III A dívida interna. A dívida externa. A dívida eterna.

IV Quantas toneladas exportamos De ferro? Quantas lágrimas disfarçamos Sem berro?

Belo Horizonte, MG


18 views0 comments

Recent Posts

See All
bottom of page